Volume
Rádio Offline
Redes
Sociais
Jovem é morto dentro de casa pela PM, e família pede Justiça: ‘foi uma injustiça que fizeram com ele’
19/06/2022 10:58 em Policial

A PM-MA afirma que Gabriel estava armado e teria tentado contra a vida dos policiais militares

 

Com informações TV Mirante

A Polícia do Maranhão abriu um inquérito para investigar a morte do jovem Gabriel de Sousa Pereira, de 20 anos, suspeito de roubo de moto, na cidade de Alto Alegre do Maranhão, interior do Estado. O jovem foi morto a tiros por policiais militares dentro de casa.

 

De acordo com a família, Gabriel de Sousa, que não tinha passagem pela polícia, não era envolvido com o crime. Já a Polícia Militar do Maranhão (PM-MA) afirma que Gabriel estava armado e teria tentado contra a vida dos policiais militares.

 

O caso aconteceu na última terça-feira (14), durante uma abordagem da Polícia Militar na cidade.

 

Segundo a família, um homem teria pedido a Gabriel para guardar uma moto sem combustível. O veículo havia sido roubado, e a PM fazia buscas por ele. 

 

Seguindo o rastreador veicular da moto, os policiais chegaram até a casa de Gabriel e, sem um mandado de busca, os policiais teriam entrado na casa do jovem e atirado nele, quando estava tomando banho. A vítima não teve nem tempo de se explicar.

 

"Por que a polícia não chegou pra perguntar o que tinha acontecido ou com um mandado? Porque o advogado falou que eles teriam que chegar pela porta da frente. Por que que eles foram por trás? Não houve troca de tiros em nenhum momento, só foi dois tiros, os dois tiros que a polícia deu. Mesmo que a moto estivesse lá dentro da casa dele, eles teriam que saber. Por que não levaram ele pra delegacia pra saber, para ele poder se explicar? Ele não teve oportunidade de se explicar, em nenhum momento ele teve. Eles já chegaram atirando", afirma Tatiana Pereira, irmã da vítima.

 

Ainda de acordo com parentes, Gabriel de Sousa não tem envolvimento com o crime, porque estava trabalhando na hora do roubo.

 

Entre os familiares e amigos de Gabriel, o sentimento é de tristeza e revolta. Esta semana moradores de Alto Alegre foram as ruas para protestar. Eles pedem celeridade nas investigações.

 

“Queremos que eles paguem, porque eles não tinham o direito de tirar a vida dele, não tinham nenhum direito. Todos nós, os vizinhos, todos viram que foi uma injustiça que fizeram com ele”, declarou Tatiana Pereira. No dia da morte de Gabriel, a Polícia Militar disse que, na hora da abordagem, o jovem estava armado e teria tentado contra a vida dos policiais militares. Ainda segundo a polícia, os PMs reagiram atirando também contra Gabriel. Um inquérito foi aberto para apurar os fatos.

COMENTÁRIOS